Lewis Hamilton durante treino para o GP dos EUA, nesta sexta-feira
Lewis Hamilton durante treino para o GP dos EUA, nesta sexta-feira

A Mercedes mostrou que se a Ferrari quiser manter as poucas chances que tem de terminar o ano com o título mundial da categoria, ela terá de se esforçar, e muito. Nesta sexta-feira, no primeiro treino livre para o Grande Prêmio dos EUA de Fórmula 1, em Austin, no Texas, Lewis Hamilton novamente mostrou sua superioridade na pista para ficar com o melhor tempo da sessão: 1min36s335. Seu companheiro de equipe, Valtteri Bottas, terminou em terceiro, com 1min36s979.

Sebastian Vettel, que precisa mais do que nunca de uma vitória nos EUA, chegou a liderar a prática desta sexta ao ir à pista com pneus supermacios enquanto a maioria do grid conduzia com intermediários, porém, a liderança do ferrarista durou pouco e ele acabou encerrando a atividade em segundo lugar, cravando 1min36s928. Kimi Raikkonen, outro piloto da escuderia italiana, ficou apenas na sétima posição, com 1min37s598.

Embalado pelo segundo lugar conquistado no Japão e de contrato ampliado até 2020, Max Verstappen foi o quarto mais rápido deste primeiro treino livre ao cravar 1min37s339. O companheiro de equipe do jovem holandês, Daniel Ricciardo, no entanto, não teve o mesmo desempenho no circuito texano e precisou se contentar com o 16º lugar (1min39s366).

Quem surpreendeu na sessão inicial em Austin foi Felipe Massa. O brasileiro, que não vem conquistando resultados muito expressivos com a Williams, foi um dos mais rápidos ao longo de todo o treino e acabou encerrando a prática na sexta colocação, tendo como volta mais rápida a completada em 1min37s570. Já Fernando Alonso, outro piloto experiente do grid, sequer completou volta cronometrada, ao contrário do seu companheiro da McLaren Stoffel Vandoorne, que ficou em quinto ao cruzar a linha de chegada em 1min37s352.

O clima instável do Texas atrapalhou a vida dos pilotos na primeira metade do treino livre desta sexta-feira. Começando os trabalhos com pneus intermediários, específicos para pista molhada, as equipes ainda assim viram suas máquinas rodarem em algumas ocasiões. Daniel Ricciardo, na saída da curva 9, acabou perdendo o controle do carro, bem como Esteban Ocon, da Force India, e Sean Gelael, da Toro Rosso. Somente na segunda metade da sessão os pilotos puderam se dirigir aos boxes e voltarem ao traçado com pneus para pista seca, momento em que completaram o circuito muito mais velozes.

Mesmo com a pista traiçoeira, algumas escuderias aproveitaram a primeira sessão do fim de semana em Austin para dar rodagem a jovens talentos. Na Sauber, o piloto junior da Ferrari, Charles Leclerc, participou do treinou no lugar de Pascal Wehrlein. Já a Toro Rosso colocou na pista o neozelandês Brendon Hartley para substituir Carlos Sainz, que foi para a Renault. Pierre Gasly, que substituiu Daniil Kvyat nas últimas duas corridas, mas que está fora do GP dos EUA para disputar o título da Super Formula, no Japão, teve sua vaga preenchida por Sean Gelael, da Indonésia.

Os pilotos voltam a entrar em ação ainda nesta sexta-feira, às 17h (de Brasília), para o segundo treino livre em Austin, no Texas, onde acontece o Grande Prêmio dos EUA de Fórmula 1. Líder do campeonato, Lewis Hamilton pode sair das terras norte-americanos com o tetracampeão mundial. Para isso, basta Sebastian Vettel cruzar a linha de chegada no domingo em sexto lugar ou abaixo disso. Caso o piloto da Mercedes chegue em segundo, o alemão da Ferrari tem de encerrar a corrida em nono lugar ou abaixo disso, enquanto Valtteri Bottas não pode subir no lugar mais alto do pódio.

Williams se safa de nova multa por atraso na devolução de pneus.

GETTY

Felipe Massa, da Williams
Felipe Massa, da Williams

 

A Williams se safou de abrir os cofres por mais uma quebra de regulamento nesta temporada. Nesta sexta-feira, durante o primeiro treino livre para o GP dos EUA, a equipe acabou se atrasando em três segundos na devolução de um dos jogos de pneus em que possuía em seu box e com isso teria de desembolsar 10 mil euros (R$ 37,5 mil) – a regra prevê que após 40 minutos de sessão, todos os times devem devolver um de seus jogos de pneus –, no entanto, prevaleceu o bom senso das autoridades.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) garantiu a suspensão da multa pelo fato de a Williams ter se atrasado em apenas três segundos. Fazendo prevalecer o bom senso, a entidade que regula o automobilismo mundial poupou a equipe de pagar pela segunda vez pelo mesmo erro.

“Embora isso seja uma quebra no regulamento, o fato ocorreu apenas três segundos depois do tempo limite, por isso a suspensão da multa”, disse a FIA através de um comunicado oficial.

Essa é a segunda vez que a Williams se atrasa ao ter de devolver um dos jogos de pneus após 40 minutos do primeiro treino livre. Na Bélgica, a equipe teve de desembolsar 10 mil euros (R$ 37,5 mil) em decisão que causou muita confusão por conta do tempo que a bandeira vermelha prevaleceu na pista.