Neymar é desonesto com colegas ao dizer que carrega seleção nas costas.

Spread the love

ODAIR BRAZ JR Do R7.

Neymar desconsiderou seus colegas de seleção com essa declaração tosca

Neymar desconsiderou seus colegas de seleção com essa declaração tosca Werther Santana/Estadão Conteúdo.

Atleta foi totalmente esnobe e jogou o trabalho de outros jogadores na lata do lixo ao dar essa declaração.

O sujeito tem que ter muita falta de autocrítica e mais um monte de gente bajulando e dizendo que “você é o cara” para chegar numa entrevista coletiva e dizer que “carregou o Brasil nas costas”, como fez Neymar nessa quarta (9). Tentei puxar pela memória para lembrar quando foi que o camisa 10 da seleção realmente levou a seleção nos ombros e, sinceramente, não consegui lembrar de uma única vez. Na final das olimpíadas de 2016? Hmmm, também não, apesar de o Brasil ter levado a medalha de ouro.

Veja: jogar bem e fazer gols não significa carregar um time inteiro. Esse tipo de coisa — se sobressair — não torna nenhum jogador o motor ou o coração de um time. Até porque há um monte de atletas que fazem isso semanalmente por suas equipes.

Se você parar para pensar bem, quem carregou o Brasil nas costas? Pelé? Não. Na Copa de 1958, na Suécia, ele tinha só 17 anos e começou na reserva. Entrou em alguns jogos importantes, fez gol na final e explodiu, mas não foi “o cara” da seleção. Em 1962, no Chile, quando também fomos campeões, Pelé se machucou e ficou de fora da fase final. Na Copa de 1970 ele foi um dos destaques, mas a seleção tinha muitos outros jogadores incríveis. Zico e Sócrates em 1982? Também não dá para dizer isso. Romário em 1994? Olha, esse chegou perto. Maradona na Copa de 1986, quando a Argentina foi campeã? Bem provável que tenha carregado, sim.

E daí, voltamos a Neymar. Em 10 anos na seleção o que ele conquistou? A Copa das Confederações de 2013 (quem se impota, né?) e a já citada medalha olímpica em 2016. Apesar de ter jogado muito bem na competição de 2013, Neymar não carregou o time. Assim como também não o fez em 2016, quando a equipe jogou muito mal e se arrastou durante parte dos jogos. Fora isso, a Copa América agora de 2019 foi conquistada pelo Brasil, mas o camisa 10 não estava, já que havia se machucado. Quer dizer, tirando e medalha de ouro, Neymar só ajudou em conquistas menores. E é isso: ajudou. Aí vem a pergunta: onde é que o dito cujo carregou a seleção? Em amistosos? Talvez em algum treino? Ainda precisamos descobrir.

Neymar, com essa história de ser “o cara” da seleção, desrespeita seus companheiros de equipe. Ele devia sair e pedir desculpas para os outros jogadores, porque efetivamente nunca foi o jogador que empurrou o Brasil para conquistas maiúsculas. No máximo, é (foi?) um jogador diferenciado. Para carregar a seleção nas costas, o moço precisa jogar muito mais do que fez até hoje.

About admin

O nosso site é voltado para o esporte, escrevemos e publicamos sobre 40 modalidades esportivas. A nossa meta é levar o esporte cada vez mais longe para o maior número possível de pessoas. O ZigZag do Esporte é a nossa Revista Eletrônica do Esporte, acesse, curta, comente e mande sugestões.

Comentários via Facebook:

Deixe uma resposta