17/04/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Suposta conspiração e antidoping dão clima polêmico à patinação em Sochi

4 min read
  • Antes mesmo de a primeira medalha sair, as polêmicas já estavam no ar. Uma denúncia de um jornal francês afirmou que Rússia e Estados Unidos haviam entrado em acordopara dividir entre si os títulos das modalidades, enquanto uma rede britânica revelou a insatisfação dos canadenses com os critérios para a realização de exames antidoping. Sem alimentar as especulações, os atletas preferem comentar o desempenho no rinque e falar sobre o futuro. Até porque sabem que casos vergonhosos do passado dão margem para que a credibilidade da patinação artística seja posta em xeque.
meryl davis charlie white  gelo sochi olimpiadas de inverno (Foto: Getty Images)Meryl Davis e Charlie White estão no meio da suposta manipulação de resultados denunciada por jornal (Getty Images)

 

De acordo com o jornal L’Equipe, o acerto entre as confederações de Rússia e EUA ajudaria Maryl Davis e Charlie White a se tornarem os primeiros americanos campeões da Dança do Gelo, enquanto os donos da casa seriam beneficiados nas prova individuais e de pares. Coincidência ou não, uma prévia deste panorama aconteceu na estreante prova por equipes. Os americanos somaram 114.34 pontos, quase sete a mais do que os canadenses Tessa Virtue e Scott Moir, ouro em Vancouver na disciplina. Os russos, por sua vez, receberam as melhores notas em todas as outras apresentações, conquistando o título coletivo para o país.

Além das especulações sobre uma possível manipulação de resultados, uma reportagem da rede britânica BBC afirma que atletas canadenses estariam descontentes com a política antidoping em Sochi. Até o momento, sete dos 17 patinadores da delegação já teriam sido testados, alguns inclusive horas antes de competir.

Olimpiadas de Inverno Sochi - patinação artística jhonny weir (Foto: Helena Rebello)Johnny Weir lamenta que episódios polêmicos manchem a patinação (Foto: Helena Rebello)

– Infelizmente tivemos momentos terríveis na história da patinação artística. Eu não ouvi nada este ano, mas tudo é possível neste mundo. Esse tipo de fofoca sempre fere o nosso esporte. É uma vergonha. Estes atletas trabalham todos os dias, sofrem e choram todos os dias, trabalham tão duro, e nosso esporte é ferido por pessoas que escrevem jornais. Não sabemos se é verdade. Se você se lembra, no último evento foi uma juíza francesa que comprometeu tudo. Lá foi provado, aconteceu. Não posso dizer que nunca acontecerá, mas o novo sistema de pontuação foi feito para evitar fraudes – disse o ex-patinador Johnny Weir, que comenta os Jogos de Inverno para uma emissora americana.

O episódio do passado a que Weir se refere ocorreu em 2002. Nos Jogos de Salt Lake City, os canadenses Jamie Salé e David Pelletiera deixaram o rinque após uma apresentação impecável nos Pares. Na hora do resultado, porém, o ouro foi dado para os russos Yelena Berezhnaya e Anton Sikharuildze. Após um pedido de apuração mais detalhado, uma investigação revelou que a juíza francesa Marie-Reine Le Gougne havia sido pressionada nos bastidores para ajudar os russos. Em troca, os juízes russos olhariam com bons olhos para os franceses, que na ocasião estreavam na Dança no Gelo.

Com as provas em mãos, o Comitê Olímpico Internacional (COI) optou por conceder o título à dupla canadense, e assim quatro atletas receberam a medalha de ouro na disciplina, enquanto nenhum ficou com a prata. A árbitra francesa foi banida do esporte.

Patinação Anton Sikharulidze e Elena Berezhnaya rússia e David Pelletier e Jamie Sale canadá (Foto: Agência Getty Images)Em Salt Lake, polêmica e ouro para duas duplas: Rússia e Canadá (Foto: Agência Getty Images)

Escândalo de Nancy Kerrigan e Tonya Harding completa 20 anos

Patinação Nancy Kerrigan, Tonya Harding 1994 (Foto: Agência Getty Images)Tonya Harding (esq.) e Nancy Kerrigan (dir) foram aos Jogos de 1994 (Foto: Agência Getty Images)

O primeiro grande escândalo midiático da patinação artística aconteceu em torno dos Jogos de Lillehammer 1994. O Campeonato Americano estava marcado para seis semanas antes das Olimpíadas e serviria como último evento classificatório. Dois dias antes da competição nacional, a favorita ao título, Nancy Kerrigan, foi atacada nos bastidores por um homem. Com um cassetete policial, ele bateu no joelho direito da atleta sucessivas vezes. Com a estrela do país sem condições de competir, Tonya Harding venceu o torneio. Ela e Nancy, que vivia a expectativa de se recuperar em tempo hábil, foram convocadas para os Jogos.

Durante o período de treinamentos, surgiram suspeitas de que Tonya estaria envolvida no ataque à compatriota. O ex-marido da atleta e outros três homens foram presos, mas a patinadora negou ter conhecimento da ação criminosa e seguiu na equipe. Muito pressionada, ela viu seu desempenho cair drasticamente e apresentou-se de forma medíocre na Noruega. Nancy, no extremo oposto, se recuperou e conquistou a medalha de prata.

Passados dois meses do ataque, Tonya Harding afirmou à Justiça que soube dos planos do ex-marido somente após a execução e só admitiu falha por não ter alertado as autoridades. Na época com 23 anos, ela foi banida para sempre das competições oficiais da patinação artística. Ainda tentou seguir no esporte através do boxe, mas não teve sucesso.

Patinação Nancy Kerrigan, Tonya Harding 1994 (Foto: Agência Getty Images)Nancy Kerrigan e Tonya Harding em 1994: compatriotas e rivais (Foto: Agência Getty Images)

 

 

Fonte: Espn

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.