Playoffs da NBA 2020: Los Angeles Lakers x Houston Rockets; confira.

Spread the love

Do Zigzagdoesporte.com.br por Blog NBA.

Série começa nesta sexta-feira com favoritismo dos Lakers e Rockets prontos para estragar a a festa angelina.

Lakers derrotam Rockets com LeBron James ovacionado pela torcida adversária

A NBA continua a todo o vapor e finalmente chegamos às semifinais da Conferência Oeste da NBA. O Los Angeles Lakers conseguiu vencer facilmente o Portland Trail Blazers por 4-1 na rodada anterior. Foi a primeira vitória da equipe angelina em playoffs desde 2011. O Houston Rockets será o adversário dos Lakers. O time texano teve grandes dificuldades, mas derrotou o Oklahoma City Thunder por 4-3 com direito a um jogo 7 decidido no último segundo.

E agora, quem leva essa super série? Confira aqui .

LAKERS X ROCKETS

Os Lakers chegaram a dar sustos em seus torcedores (talvez os mais cornetas) durante os primeiros jogos após a volta da bolha, no entanto, isso logo passou. O time angelino até perdeu o primeiro jogo da série contra os Blazers, porém nos 4 jogos seguintes o time conseguiu ganhar sem grandes dificuldades e em vários momentos destruindo o adversário com uma defesa sufocante.

A defesa aliás é o grande ponto positivo da franquia tanto na temporada quanto na série contra os Blazers. O time manteve seus ótimos números defensivos mesmo contra o potente ataque de Damian Lillard e C.J. McCollum. Os Lakers sofreram 104,1 pontos por 100 posses de bola contra a franquia de Oregon. Durante a temporada regular essa média foi de 106,1 pontos por 100 posses de bola. A franquia angelina utilizou muito os chamados “traps”, no qual geralmente o ótimo Alex Caruso e Anthony Davis avançavam contra Lillard ou McCollum e os encurralavam, além de contar com excelente movimentação dos três jogadores restantes em quadra.

O ataque da franquia funcionou surpreendentemente bem, marcando 114,5 pontos por jogo. Os Lakers utilizaram algo interessante: muitas vezes Anthony Davis, KCP ou Alex Caruso traziam a bola para o ataque e faziam o passe para LeBron James receber no post e ter a chance de jogar tranquilamente contra alguém mais baixo. É uma jogada que poderemos ver em maior quantidade contra os Rockets. As bolas de 3 continuam a ser uma preocupação (34% de acertos) e principalmente o aproveitamento de lances livres (70% a pior marca do primeiro round), que certamente podem complicar a franquia em jogos mais apertados.

O Houston Rockets foi um time que resolveu dar all-in nesta temporada. A franquia de fato abriu mão de seu futuro na troca de Chris Paul e Russell Westbrook (os Rockets certamente acabaram com o sonho de muitas crianças em jogar na franquia pois perderam todas as próximas escolhas de Draft possíveis). Além disso, durante a temporada regular a franquia decidiu ousar e ir para o “Super Small Ball”, trocando o pivô Clint Capela pelo até então ala Robert Covington. Em um primeiro momento a mudança aparentou dar certo, porém já mostrou muitas rachaduras que podem ser exploradas pelos Lakers.

Houston teve surpreendentemente a melhor defesa do primeiro round dos playoffs, enquanto na temporada regular a franquia ficou apenas na posição 15. O time continuou com a sua estratégia de trocar a marcação em todas as posses de bola, pois D’Antoni acredita não ter mismatches, dado que o time é praticamente todo do mesmo tamanho. Outro ponto extremo da defesa foi simplesmente ignorar o novato Lu Dort, que é simplesmente péssimo nas bolas de 3 pontos (mesmo que tenha tido um jogo 7 genial) e também deixando Steven Adams longe da cesta com o intuito do pivô não utilizar o tamanho como vantagem.

No ataque, o time do “Analytics” continuou a ser o que mais tenta bolas de 3 pontos na história – batendo inclusive seu próprio recorde duas vezes durante a série. Porém, as coisas não foram tão boas assim. Houston, que marcava 112,5, caiu para 108,3 PPP , mesmo com o aproveitamento do perímetro melhor nos playoffs com 35,9% contra 34,5% na temporada regular.

O ponto surpreendente foi que James Harden conseguiu ser de fato anulado em vários momentos poer Dort. Durante esses lapsos de tempo, a franquia aparentou estar perdida e cometeu muitos erros. O adendo é que Russell Westbrook demorou a entrar na série devido a uma lesão e aparentou ainda não estar em seu ritmo ideal.

O CONFRONTO

As viagens de Gulliver, os Monstrars de Space Jam ou qualquer outro filme que denote gigantes contra baixinhos, o fato é que os times são literalmente opostos. Os Lakers têm média de altura de 2,04m, enquanto os Rockets têm média de 1,95m. Os Rockets são o time que mais faz arremessos da linha de 3 pontos; os Lakers são o que mais pontua no garrafão. Os Lakers são um dos times que mais passam a bola; os Rockets são o que menos passa a bola. Com esses pontos já deu para perceber que são equipes completamente diferentes entre si.

Um confronto entre esses times claramente é um choque de estilos, porém é possível enxergar uma certa vantagem para os Lakers por alguns motivos. O primeiro motivo é a versatilidade. Os angelinos têm a opção de usar times bem altos e nem tão lentos. Não seria estranha um formação (que inclusive foi bem utilizada na série contra os Blazers) com Alex Caruso, Green/KCP, Kyle Kuzma, LeBron James e Anthony Davis, que ainda é um quinteto e bem alto e TODOS os defensores conseguem lidar bem com armadores.

O segundo motivo é em relação aos rebotes. Os Lakers simplesmente podem quebrar o ritmo da franquia texana devido a sua grande presença de garrafão mesmo sem um pivô de ofício. O terceiro e último motivo é… Quem marca LeBron James e Anthony Davis em Houston? Os potenciais escolhidos para a missão são Covington e Tucker, que terão que se desdobrar para dificultar a vida das duas estrelas do time de Frank Vogel.

Os Rockets são um time que atacam de forma bem similar ao derrotado Portland Trail Blazers, então há alguma saída para esse time? A resposta é, talvez, ao contrário dos Blazers, a defesa dos Rockets é bem mais capacitada e mostrou-se com uma estratégia que funcionou contra alguns times grandes, que foi dificultar a bola chegar ao garrafão. Caso Davis, LeBron , Howard ou McGee recebam a bola perto da cesta, é simplesmente impossível de pará-los com defensores tão pequenos. A saída é impedir a bola de chegar lá e forçar Los Angeles a arremessos livres de 3 pontos. Caso a situação chegue nesse ponto, os Lakers precisarão de consistência de nomes como Danny Green, Alex Caruso, KCP e Kyle Kuzma. Os Blazers mostraram que esses jogadores têm mais chances de falhar do que as estrelas.

Porém, a vantagem angelina é… Os Rockets não têm plano B (claramente o time deve ser utilizado em palestras de coaches que buscam mostrar a importância de alternativas). Como vimos na série contra o Thunder e durante a temporada regular, Houston joga sempre no mesmo estilo não importa a situação. Caso a estratégia escolhida continue sendo a de sempre trocar a marcação, conseguiremos ver barbaridades como Anthony Davis jogando contra Eric Gordon e certamente o destruindo nessa situação.

RETROSPECTO

Temporada Regular: Houston Rockets 2×1 Lakers

18/01  – Rockets 115 – Lakers 124

07/02 – Lakers 111- Rockets 121

06/08 Rockets 113 – Lakers 97

Os Rockets levaram vantagem durante a temporada regular contra os Lakers. O jogo de 7/2 foi o primeiro que o time jogou após a troca de Capela e foi possível ver Los Angeles razoavelmente perdido em alguns momentos na marcação e sem uma forma de saber utilizar os pontos de Anthony Davis (que marcou 32 aquela noite) para vencer.

No jogo na “bolha”, os Lakers jogaram com um time recheado de reservas e LeBron não chegou a entrar em quadra, enquanto Davis jogou 29 minutos. A vitória dos angelinos no primeiro jogo mostrou a força da equipe, que mesmo sem Anthony Davis, conseguiram um resultado consistente contra os texanos mesmo com Harden e Westbrook combinando para 70 pontos – no entanto, ainda jogando no modelo antigo, com pivô de origem.

A SÉRIE: (1) Los Angeles Lakers x (5) Houston Rockets

Jogo 1: Sexta-feira (4/9), 22h – SporTV
Jogo 2: Domingo (6/9), 21h30 – ESPN
Jogo 3: Terça-feira (8/9), 22h
Jogo 4: Quinta-feira (10/9), horário a definir
Jogo 5: Sábado (12/9), horário a definir*
Jogo 6: Segunda-feira (14/9), horário a definir*
Jogo 7: Quarta-feira (16/9), horário a definir*

PALPITE: Lakers em 6

Os Rockets certamente possuem potencial para dificultarem a situação dos Lakers mais do que vimos na série contra os Blazers, porém é difícil imaginar que isso consiga ser o suficiente para o “Time do Analytics” derrotar os favoritos. Os Lakers possuem mais alternativas, mais elenco e mais tamanho para machucar os Rockets.

O time texano precisa de noites com aproveitamentos altíssimos nas bolas de 3 pontos para conseguir ganhar e não é fácil imaginar isso acontecendo facilmente contra a excelente defesa dos Lakers, que foi muito bem contra Damian Lillard e C.J. McCollum.

About admin

O nosso site é voltado para o esporte, escrevemos e publicamos sobre 40 modalidades esportivas. A nossa meta é levar o esporte cada vez mais longe para o maior número possível de pessoas. O ZigZag do Esporte é a nossa Revista Eletrônica do Esporte, acesse, curta, comente e mande sugestões.

Comentários via Facebook:

Deixe uma resposta