Noticiário da Liga das Nações de vôlei feminino; confiram !

Carlos Fiúza de Salvador para o Zigzagdoesporte.com.br por agência Gazeta Press.

Brasil vence Japão e se recupera na Liga das Nações.

Foto; torcedores.com.br

O time comandado pelo técnico Zé Roberto Guimarães mostrou notável melhora na defesa e conseguiu superar a experiente equipe adversária por 3 sets a 1, parciais de 22/25, 25/18, 25/23 e 25/11.

A Seleção Brasileira se redimiu da derrota na estreia da Liga das Nações de vôlei feminino nesta quarta-feira. Enfrentando o Japão, no ginásio José Corrêa, em Barueri, o time comandado pelo técnico Zé Roberto Guimarães mostrou notável melhora na defesa e conseguiu superar a experiente equipe adversária por 3 sets a 1, parciais de 22/25, 25/18, 25/23 e 25/11.

A vitória diante do Japão, que também perdeu na estreia, para a Sérvia, vem em uma boa hora. Depois de ser superado pelo rival oriental no ano passado, durante a disputa do Grand Prix, a Seleção Brasileira, que passa por uma renovação com foco no Mundial deste ano, mostrou que, apesar de ainda cometer alguns erros bobos em quadra, tem potencial para assegurar bons resultados em 2018.

O próximo grande teste para a Seleção Brasileira na Liga das Nações acontece nesta quinta-feira, quando o time entra em campo contra a Sérvia, atual vice-campeã olímpica – perdeu a final do Rio 2016 para a China -, fechando a primeira semana de disputas do novo torneio do calendário do vôlei mundial.

O jogo – A Seleção Brasileira entrou em quadra nesta quarta-feira determinada a reagir após a derrota na estreia contra a Alemanha. No primeiro set, o time verde e amarelo começou com bastante agressividade e não demorou para abrir certa vantagem no placar, encaixando, ao contrário da partida da última terça-feira, a defesa. O melhor momento das donas da casa, no entanto, não durou muito, e as japonesas mantiveram a calma para não só empatar, mas também virar a partida já no fim da parcial e abrir 1 a 0, fechando em 25 a 22.

No segundo set a maré virou para o Brasil. Pressionadas com a possibilidade de perder o segundo jogo consecutivo diante de seus torcedores, as comandadas de Zé Roberto Guimarães conseguiram driblar a marcação na rede e dificultar justamente o ponto forte do time do Japão, que é a defesa. Com o bloqueio funcionando e acelerando um pouco mais o saque, a Seleção correu menos riscos na parcial, abriu ótima vantagem e precisou apenas administrá-la para deixar tudo igual ao superar as rivais por 25 a 18.

O terceiro set talvez tenha sido o mais parelho de toda a partida. Embora tenha saído atrás no placar, a Seleção Brasileira repetiu o bom desempenho da parcial anterior e seguiu dificultando a vida das japonesas, que, por sua vez, mostraram persistência e também não deixaram barato, se mantendo muito bem na defesa. A vontade se continuar na frente era tamanha que até mesmo a treinadora adversária teve influência direta nos pontos do Japão, pedindo três desafios após decisões erradas dos juízes. Mas de nada adiantou. O time verde e amarelo, embalado pela torcida, acabou virando o confronto ao fechar em 25 a 23.

No quarto e decisivo set bastou à Seleção Brasileira manter o volume de jogo apresentado nos dois sets anteriores, explorando bastante as extremidades da rede e dificultando a marcação do bloqueio rival, para conquistar sua primeira vitória na Liga das Nações de vôlei feminino. Chegando a abrir 14 pontos de vantagem para as japonesas, o time verde e amarelo sobrou na reta final e deu tempo até de Jaque levantar a torcida em Barueri ao entrar em quadra como líbero no lugar de Suelen e ver Bruna fechar o duelo em 25 a 11.

Zé Roberto vê melhora da Seleção após vitória: “Foi um time diferente”.

Diferente da última terça-feira, Zé Roberto saiu contente com o resultado de sua equipe nesta quarta, após a vitória por 3 a 1 sobre o Japão, no ginásio José Corrêa, em Barueri. O treinador da Seleção Brasileira elogiou o espírito de luta de suas comandadas, que cometeram menos erros em quadra e se redimiram com a torcida, que novamente compareceu em bom público para acompanhar o time em seu início de trajetória na Liga das Nações.

“O time não jogou com a atitude que precisava ter jogado. Hoje foi um time diferente, esse é o espírito e energia que esse grupo tem, é o que a gente espera. Perder faz parte do jogo, mas perder lutando é diferente. Acho que essa luta, essa vontade de vencer, correr atrás o tempo inteiro, fez com que o time apresentasse uma melhora”, afirmou Zé Roberto.

“Agora, ainda estamos buscando ajustes, melhores condições, situações em cada posição, para a defesa, para o ataque, para o bloqueio, para o passe… foi uma vitória importante pela superação, foi um tempo curto, mas o time conseguiu absorver essa derrota e jogar melhor hoje”, completou o comandante.

A consistência defensiva do Japão foi algo que Zé Roberto também procurou enfatizar. Segundo ele, o adversário desta quarta-feira obrigou a Seleção a jogar de uma maneira diferente, explorando muito mais a técnica do que a força física, embora o bloqueio adversário não tenha um tamanho de dar medo.

“Precisávamos de um jogo como esse, que fizesse com que o nosso time tivesse que jogar tecnicamente falando, que tivesse que se comunicar, se ajustar melhor. Jogar contra o Japão é sempre muito complicado. É um time baixo? É um time baixo, mas tecnicamente falando muito bom, é muito bem treinado, a bola não cai. Agora, a gente tem coisas a melhoras na distribuição, no posicionamento, várias coisas”, completou Zé Roberto Guimarães, que encerra a primeira semana de disputas na Liga das Nações nesta quinta-feira, contra a Sérvia, atual vice-campeã olímpica.

Adenízia projeta duelo com Sérvia: “Tiro, porrada e bomba”.

Hoje nós fizemos uso da habilidade, amanhã é tiro, porrada e bomba. Temos que estar com o braço forte, saber que a defesa vai subir o bloqueio vai funcionar”, afirmou Adenízia.

Passada a vitória por 3 sets a 1 sobre o Japão, Adenízia, uma das líderes do elenco comandado por Zé Roberto Guimarães, já começou a pensar no último confronto da primeira semana da Liga das Nações, contra a Sérvia, que acontece nesta quinta-feira, novamente em Barueri. Prestes a enfrentar as atuais vice-campeãs olímpicas, a central aposta em um jogo com características completamente diferentes em relação ao desta quarta-feira.

“A Sérvia tem grandes nomes, é a atual vice-campeã olímpica. Temos que esquecer o jogo de hoje, amanhã é diferente. Hoje nós fizemos uso da habilidade, amanhã é tiro, porrada e bomba. Temos que estar com o braço forte, saber que a defesa vai subir o bloqueio vai funcionar”, afirmou Adenízia.

A medalhista de ouro em Londres 2012 também aproveitou para valorizar a mudança de postura da Seleção Brasileira, que contra o Japão se mostrou um time mais vibrante e com menos erros em quadra, principalmente na defesa, algo que foi fatal contra a Alemanha.

“Eu acho que o grupo está tão fechado que fica fácil fazer qualquer coisa. Ontem, infelizmente, a vitória não veio por uma falta de espírito, primeiro jogo, time ainda não está entrosado. Hoje foi uma outra coisa. Esse é o Brasil alegre, que agride. Isso a gente não pode perder jamais”, prosseguiu.

“Fizemos reuniões, conversamos, estudamos. A postura que tivemos ontem não é a nossa. Fomos um time acuado, sem vibração. Hoje, não. Hoje demonstramos o que é o voleibol e o que é o Brasil. É esse o Brasil que nós queremos”, completou.

 

Zé Roberto espera pedreira contra a Sérvia.

O Brasil encerra sua primeira semana de disputas na Liga das Nações de vôlei feminino nesta quinta-feira, contra a Sérvia, no ginásio José Corrêa, em Barueri. Diante das vice-campeãs olímpicas, o time comandado por Zé Roberto Guimarães quer aproveitar o embalo do triunfo sobre o Japão para se despedir de sua torcida com chave de ouro, no entanto, o próprio treinador da equipe verde e amarela sabe que sair de quadra com um novo resultado positivo não será tarefa fácil.

Comandando um elenco jovem e tendo de lidar com o desgaste físico da maioria das jogadoras por conta do fim da temporada brasileira, Zé Roberto Guimarães optou por adotar o rodízio na tentativa de amenizar os efeitos do problema. Além disso, o treinador também vem tentando promover Jaqueline como líbero, sua nova função, mas com calma para não queimá-la justamente na preparação para o Mundial de 2018, principal objetivo da Seleção Brasileira.

“[A Sérvia] É o time favorito, tem mais condições. O ponto forte deles são as duas atacantes, a Mihajlovic e a Boskovic, são dificílimas de serem marcadas. É um time que bloqueia muito bem. Essa número 20 [Blagojevic] de uma boa estruturada no time, que sempre sofreu muito no passe. Todas as bolas são as duas que decidem”, afirmou o treinador do Brasil

Zé Roberto Guimarães também comentou sobre o que será preciso fazer para vencer as favoritas ao duelo. Depois de um jogo defensivamente ruim contra a Alemanha na estreia, a Seleção Brasileira evoluiu frente ao Japão, mas precisará se superar ainda mais caso queira superar as atuais vice-campeões olímpicas nesta quinta-feira, em Barueri.

“Teremos que sacar muito bem e que o sistema defensivo consiga subir algumas bolas, porque elas vão passar por cima, pegam muito alto, forte. Mas é bom, é bom passar por esses perrengues, tudo isso é o que a gente quer para exatamente saber onde temos que evoluir”, completou o comandante do time verde e amarelo.

About admin

O nosso site é voltado para o esporte, escrevemos e publicamos sobre 40 modalidades esportivas. A nossa meta é levar o esporte cada vez mais longe para o maior número possível de pessoas. O ZigZag do Esporte é a nossa Revista Eletrônica do Esporte, acesse, curta, comente e mande sugestões.

Comentários via Facebook:

Deixe uma resposta