03/03/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Acompanhe um ótimo resumo da rodada e a avliação de alguns clubes

4 min read

Do ZigZag do Esporte/Série A.

Clemer se irrita com pedidos por Forlán e exalta outros atacantes.

Gazeta Press

Clemer reclamou de pênalti não marcado a favor do Inter na derrota para o São Paulo
Clemer se irritou com as cobranças da torcida pelo atacante Forlán

Nesse domingo, Diego Forlán olhava sem reação do banco de reservas seus colegas perderam uma série de chances no 0 a 0 com o Coritiba enquanto os torcedores pediam o seu nome. Tanta cobrança irrita Clemer, que cita a qualidade exatamente de quem perdeu gols para justificar a falta de chances ao caro uruguaio.

“Enfrentei o Coritiba com, praticamente, três atacantes: D’Alessandro, Leandro Damião e Otávio. E nenhum dos três estava mal. Vou botar o Forlán onde?”, perguntou o técnico, apesar de Otávio pouco ter aparecido, D’Alessandro ter assustado só em chute na trave e Leandro Damião ter perdido chance com o gol vazio.

Clemer, inclusive, se contradisse durante sua entrevista coletiva após o jogo ao falar exatamente que “faltou qualidade” para balançar as redes. Seu outro argumento, então, foi o de preocupação defensiva, apesar de o adversário pouco ter feito o goleiro Muriel trabalhar.

“Se eu boto mais um atacante, quem vai marcar? Futebol não é só botar atacante”, tentou ensinar. “Não podíamos perder o jogo. O jogo estava perigoso, eu não podia abrir o time. E o Josimar foi um dos melhores”, falou, citando um dos volantes que poderiam sair.

As poucas chances a Forlán irritaram também Willians, volante titular que saiu de campo reclamando que o técnico tem jogadores e “não faz nada”, já que sua única substituição foi tirar o lateral direito Ednei para improvisar Jorge Henrique e colocar o meia Alex.

Para Clemer, porém, não fazer gol é detalhe. E o melhor jogador da última Copa do Mundo está longe de ser uma solução. “Quando a bola não entra, é assim. São coisas do futebol. Mas o time teve uma consistência boa, não tivemos nenhum perigo contra o Muriel. E criamos várias chances, só faltou botar para dentro”, apontou.

 

Zé Roberto e Rhodolfo aprovam atuação do Grêmio em Campinas.

Gazeta Press

Zé Roberto aprovou a atuação do Grêmio no empate com a Ponte, em Campinas
Zé Roberto aprovou a atuação do Grêmio no empate com a Ponte, em Campinas

O empate com a Ponte Preta por 1 a 1, válido pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro, tirou a vice-liderança do Grêmio, que foi ultrapassado pelo Atlético-PR nos critérios de desempate. Porém, a atuação tricolor foi aprovada pelos atletas, que enfatizaram a dificuldade de enfrentar uma equipe desesperada na luta contra o rebaixamento.

Para Zé Roberto, experiente camisa 10 tricolor, o empate ficou de bom tamanho pela entrega da equipe: “Não conseguimos criar tantas chances, mas o volume de jogo foi bom. Adiantamos a marcação e pressionamos. O empate ficou de bom tamanho pela entrega na partida. Agora é trabalhar durante a semana, pois o jogo contra o Goiás é uma final para nós. Seguimos em busca do maior objetivo, que é a Libertadores”, sintetizou.

Na visão do defensor Rhodolfo, a falta de sorte foi um dos fatores que contribuíram para o empate, em solo campineiro: “A gente tentou o jogo inteiro. Tivemos muitas chances, mas, infelizmente, a bola não estava querendo entrar. Criamos bastante e o time marcou muito bem”, reforçou.

Agora, os comandados de Renato Gaúcho terão pela frente a seguinte sequência, na elite nacional: no próximo domingo, na Arena Grêmio, medem forças com o Goiás, às 19h30 (de Brasília). Por fim, visitam a Portuguesa, no estádio do Canindé, no dia oito de dezembro.

 

Montillo revela pacto entre santistas por vitórias nos últimos jogos.

Divulgação/Flickr

Montillo durante treino do Santos
Montillo revelou pacto entre os jogadores para conquistar a vitória nos últimos dois jogos do Brasileiro

Posicionado no meio da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, o Santos não luta por mais nada na competição. A equipe comandada por Claudinei Oliveira não tem chances de se classificar para a Copa Libertadores, nem corre o risco de rebaixamento. Apesar de não terem nenhuma motivação aparente, os santistas desejam terminar de maneira “digna” o ano.

“É sempre bom ganhar. Colocamos como objetivo vencer as três últimas partidas. Agora vamos trabalhar para derrotar o Atlético-PR”, disse o meia Montillo depois da vitória contra o Fluminense, neste domingo, em Presidente Prudente.

Depois de enfrentar o clube paranaense, em partida que será disputada na cidade de Rio Preto, o Santos encerrará sua participação no Brasileirão diante do Goiás, no estádio Serra Dourada.

Caso vença as duas últimas partidas sob o comando de Claudinei Oliveira – que deixará o comando da equipe no fim de 2013 -, o Santos chegará aos 57 pontos e superará a campanha do time de 2010, a melhor da Era Neymar, quando o clube alvinegro somou 56 pontos.

 

Fonte: ESPN.com.br com Agência Gazeta Press

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.