11/12/2023

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

NOTICIÁRIO DO MUNDIAL DE ATLETISMO PARA OLÍMPICO. VEJA DETALHES DAS PROVAS DOS BRASILEIROS !

4 min read

Por Carlos Fiúza de Salvador para o Zigzagdoesporte.com.br

Brasileiro brilha no segundo dia de finais do evento, realizado em Paris, palco dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos em 2024. Christian da Costa sobe ao pódio com o terceiro lugar na mesma prova.

O Brasil conquistou sua primeira medalha de ouro nesta edição do Mundial de Atletismo Paralímpico, sediado em Paris, na França. Ricardo Gomes escreveu seu nome na história da competição ao bater o recorde dos 100 metros rasos T37 com o tempo de 11s21. O indonésio Saptoyogo Purnomo e o também brasileiro Christian da Costa completaram o pódio.

 

 

 

Ricardo Gomes celebra a vitória na prova — Foto: Ale Cabral/CPB

Ricardo Gomes celebra a vitória na prova — Foto: Ale Cabral/CPB

– É maravilhoso estar aqui. Em dezembro do ano passado, eu rompi o ligamento patelar do joelho que já tenho a paralisia. Eu mesmo achei que não voltaria. Pensei em desistir, mas voltei! E consegui a primeira medalha de ouro do Brasil nesse Mundial. Não há limites, galera, é só acreditar. Estou feliz mesmo. Quero falar à iniciativa privada: “Vamos apoiar o esporte paralímpico, porque trazemos muitas medalhas. Valeu, Brasil! – declarou o atleta, que ganhou a medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2021.

Ricardo Gomes assinalou o melhor tempo do campeonato nas eliminatórias (11s25) e, na final, conseguiu ser ainda mais rápido, se tornando o recordista da prova na competição.

Ouro escapa, mas Brasil fatura duas medalhas

 

O Brasil ficou perto de conquistar outra medalha de ouro na prova dos 5 mil metros, categoria T11 para cegos. Isto porque Julio Cesar Agripino liderava a disputa, porém, nos últimos 200 metros, foi ultrapassado pelo japonês Kenya Karasawa, e precisou se contentar com a medalha de prata. A terceira colocação ficou com o atual campeão paralímpico, o sul-mato-grossense Yeltsin Jacques.

– Eu tive depressão e queda de rendimento durante a pandemia. Tive que fazer um trabalho com a psicóloga para poder voltar. Na reta final, meu guia e eu caímos um pouco de rendimento e não conseguimos acompanhar o japonês. Aqui somos um time, vencemos juntos – declarou Agripino.

Julio Cesar Agripino posa com seus guias na prova — Foto: Alexandre Schneider/CPB

Julio Cesar Agripino posa com seus guias na prova — Foto: Alexandre Schneider/CPB

 

Lorena Spoladore conquista 1ª medalha do Brasil no Mundial Paralímpico de Atletismo

A saltadora Lorena Spoladore conquistou a primeira medalha para o Brasil no Mundial Paralímpico de Atletismo, em Paris, na França. Na manhã deste domingo, a brasileira alcançou a marca de 4,91m na prova do salto em distância da classe T11 (para pessoas cegas) e ficou com a prata. Além da medalha de Lorena, o Brasil obteve um bronze com Vinicius Quintino na petra (T72) e outro com Wallace dos Santos no arremesso de peso F55 (para cadeirantes). A competição vai até o dia 17 de julho e o sportv transmite as sessões ao vivo.

– Ser a primeira medalha do Brasil tem um gostinho ainda melhor. Estou muito feliz e grata. Voltar a medalhar no salto em distância é muito bom, foi a prova em que eu iniciei no atletismo e me deu visibilidade no esporte. Nosso objetivo são as provas dos 100m e 200m, mas essa boa preparação refletiu também na disputa do salto – disse Lorena, que ficou cega devido a um glaucoma congênito.

Já o paulista Vinicius Quintino, o atleta mais novo da delegação brasileira, com 16 anos, subiu ao pódio logo em sua estreia em Mundiais ao completar a prova dos 100m pela classe T72 (que competem na petra) na terceira colocação. A petra é uma prova na qual os atletas correm com os seus próprios pés apoiando-se em uma espécie de triciclo sem pedais. Vinicius fez o tempo de 17s60.

Por fim, o carioca Wallace dos Santos conquistou o bronze no arremesso de peso classe F55 com a marca de 11,87m em sua última tentativa. A vitória foi do búlgaro Ruzhdi Ruzhdi, que arremessou o peso em 12,68m, e a prata ficou com o polonês Lech Stoltman, com 12,27m.

Wallace dos Santos na prova do arremesso de peso do Mundial de Paris — Foto: Alexandre Schneider / CPB

Wallace dos Santos na prova do arremesso de peso do Mundial de Paris — Foto: Alexandre Schneider / CPB

– A prova foi boa. Prova de arremesso não pode errar, infelizmente eu errei, demorei pra amarrar a cadeira. Eu acabei entrando meio frio e isso me atrapalhou. A gente aprende. Meu primeiro mundial saí com a medalha, tô feliz. Também tô triste porque perdi o recorde mundial. Mas temos parapan e ano que vem tem paralimpiadas e eu vou buscar o meu ouro de novo – afirmou Wallace.

A delegação brasileira chegou a capital francesa com número recorde de atletas, são 54 representantes. A meta do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) é terminar a competição no alto do quadro de medalhas, assim como aconteceu em Dubai 2019, quando o país terminou em segundo lugar com 39 medalhas (14 de ouro, nove de prata e 16 de bronze).

 

 

 

Ativar som

Ricardo Gomes pede apoio ao esporte paralímpico

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.