22/07/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Novo rival de Aldo trocou United e futebol pelo UFC para ser estrela que sempre quis ser. Entenda o fato.

3 min read

Em quatro meses, Conor McGregor deve pisar no octógono para fazer uma das lutas mais aguardadas do ano diante de José Aldo. Será a chance de o irlandês conquistar o cinturão dos pesos penas do UFC.

Igor Resende, do ESPN.com.br.

Getty

McGregor, uma verdadeira estrela do UFC
McGregor, uma verdadeira estrela do UFC

Em quatro meses, Conor McGregor deve pisar no octógono para fazer uma das lutas mais aguardadas do ano diante de José Aldo. Será a chance de o irlandês conquistar o cinturão dos pesos penas do UFC. Um futuro bem diferente do que se desenhava para ele no começo dos anos 90. Mas com um possível desfecho que sempre passou pela cabeça do então menino: se tornar uma estrela, se tornar o melhor do mundo.

McGregor só não deve se tornar o melhor naquilo que ele primeiramente pensou que seria. Ainda criança, o esporte dele era outro. Quando saia de casa, era com uma camisa vermelha do time de coração de grande parte de sua família, o Manchester United. Debaixo dos braços, uma bola, que costumava chutar para lá e para cá no quintal de casa. E, na cabeça, o sonho de ser um verdadeiro ídolo dos Red Devils, com quase 100 mil torcedores gritando seu nome em Old Trafford.

Aos poucos, porém, McGregor percebeu que seu sonho era outro que não ser um jogador de futebol. McGregor queria mesmo era ouvir a multidão gritando seu nome. Queria ser famoso, rico. E, aos poucos, o futebol foi saindo de cena.

Vítima de bullyng na escola, começou a treinar boxe para se defender. Estreou no MMA em 2008 e, no ano seguinte, acabou totalmente contagiado pela atmosfera do UFC 93, sediado em Dublin. Justamente em uma temporada em que estava machucado e ainda decidia o que queria fazer com sua vida. Não que o evento tenha de fato transformado a vida do irlandês. Mas, naquele dia, ele decidiu que queria ser a estrela do próximo evento na capital de seu país.

Getty

McGregor faz algo que sempre quis: atender seus fãs
McGregor faz algo que sempre quis: atender seus fãs

Construiu seu caminho até o UFC com 12 vitórias seguidas pela Europa e o cinturão do prestigiado Cage Rage. Acabou contratado e mostrou logo na primeira luta a que veio: um nocaute em pouco mais de um minuto para cima de Marcus Brimage. Na segunda luta, machucou o joelho, mas mesmo assim dominou Max Holloway. Foi a única vez no UFC em que teve que chegar à decisão dos jurados.

A cirurgia não diminuiu seu ritmo. Pelo contrário. O irlandês ganhou de Diego Brandão e do badalado Dustin Poirier ainda no primeiro round. Contra Dennis Siver na madrugada desta segunda-feira, aparentemente só foi para o segundo assalto porque quis prolongar o show.

McGregor ainda não é o campeão do UFC, ainda não realizou o seu sonho de ser o melhor em algo. Mas já realizou boa parte do que queria. Hoje, ele é uma estrela, conhecido em qualquer lugar de seu país. Tem pessoas gritando seu nome em boa parte dos locais em que passa. E acumulou uma quantidade de dinheiro que o permite ser extravagante.

Extravagante a ponto de ser um colecionador de ternos e sapatos, por exemplo. Afinal de contas, uma estrela tem sempre que estar bem vestida, tem sempre que aparecer bem diante de tantos holofotes.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.