16/06/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

BY EDINHO LEITE

Published 

Dos 48 surfistas com menos de 20 anos competindo pelo título Mundial Pro Junior da ASP apenas 8 se classificaram para o sábado. Finais antecipadas. O evento teria uma janela de espera até terça-feira, mas a previsão de vento sul, forte, acelerou o cronograma.

 

Daniel Smorigo / ASPGabriel Medina simplesmente massacrou o marroquinho Ramzi Boukhian na final do Pro Junior.

QUARTAS
No fim da bateria, precisando de 8.37, o cearense Michael Rodrigues fez uma boa manobra, aéreo com rotação rápida, mas não era uma boa onda. Matt Banting havia surfado duas ondas acima dos 7 pontos na primeira metade da bateria. Mesmo sem nada de muita expressão, conseguiu ligar um movimento no outro com uma boa dinâmica. Na sequência Ramzi Boukhian superou Oney Anwar. 

Gabriel 8.87 num aéreo rodando de back contra o vento. Slade Prestwich ficou em busca de 9.97. Gabriel, que veio se destacando durante todo o evento, venceu com apenas duas ondas legais de assistir, baseadas em uma manobra. Faltou uma dessas na combinação de manobras de Slade e vice e versa. Na última bateria do round Vehiatua Prunier escolheu as ondas com cuidado, mas ele e Hiroto Ohhara, que venceu Jesse Mendes no round anterior, não puderam mostrar nada de mais. O mar estava balançando, devagar. Hiroto, mais arisco, virou nos segundos finais, já garantindo a melhor posição de um japonês nesse circuito até hoje.

SEMIS
Banting manteve o ritmo nas esquerdas, mas faltava algo mais explosivo em seu desempenho de backside como as manobras de Ramzi. A segunda nota do marroquino foi maior do que a melhor onda do australiano, mesmo jogando menos manobras. 16.03 X 12.33.

LAVADA
Medina parecia calmo, mas a pressão de ser Top CT, competindo no Brasil com potenciais futuros adversários na elite deve causar um certo arrasto. Mas ele espantou a tensão rapidinho com manobras fortes, sem medo, na esquerda [8.07]. Na sequência acelerou na direita para mandar o maior aéreo do evento, sem mãos na borda, rodando. Mandou o japa, um tanto nervoso, para a combi marcando 9.87, em uma manobra. Gabriel fez a festa diante de um oponente abaixo do seu nível, ainda mais massacrado pelos 17.94 de Gabriel.

MASSACRE NA FINAL
Gabriel inverteu em rasgadas comprometidas, espancou o lipe, de front e de back, só faltava voar. Tinha notas sobrando e deixou Ramzi na combi. Dominou sem dificuldade de ponta a ponta, marcando a maior nota e somatória do evento, depois que acertou seu patenteado voo rodando de back, emendando mais duas bolachadas. A água deve ter ficado ainda mais fria para o marroquino. Mesmo assim há o que comemorar, afinal ele foi o representante de seu país a ir mais longe num mundial.
Foi mais um show do que uma disputa para o novo campeão mundial Pro Junior. Belo título para Gabriel Medina, afinal, vários Campeões Pro Junior se tornaram campeões profissionais. Incontestável indício. “Estou apenas me preparando para o Havaí e esse evento foi uma injeção de confiança. Não há lugar do mundo como aqui”, declarou Gabriel.

MENINAS – SEMIS E FINAL
O título feminino da categoria também estava em jogo. Entre as meninas Tatiana Weston_Webb, nascida no Brasil e criada no Havaí, filha da famosa bodyboarder brasileira Tanira Guimarães, abriu melhor que os meninos e mandou logo um 9.17, com paulada na junção. Aumentou a diferença numa esquerda sólida contra a barbadiana Chelsea Tuach. Na segunda bateria a neozelandesa Ella Williams venceu por menos de um ponto a fraca disputa contra a francesa Johanne Defay.

Apesar da água fria a final foi bem morna, até que Ella, na segunda colocação durante toda a bateria, resolveu, nos 5 minutos finais, virar numa esquerda onde marcou 5.30. A onda não foi muito expressiva, mas ela fez o suficiente para virar e, de volta com ajuda do Jet ski ainda pegou outra esquerda para ampliar a diferença na última volta do cronômetro. Tatiana, que apresentou um surf mais ofensivo, esperou demais abateria toda por uma onda do jeito que queria. No segundo final entrou no que sobrou e não virou. Ella foi mais inteligente competitivamente falando. Foi levada no os ombros das amigas ao pódio. É a primeira campeã mundial da Nova Zelândia. Entre elas e eles.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.