20/07/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Mundial de esgrima tem arma extraviada, ‘chorona’ freguesa e volta por cima da França.Veja.

4 min read

Do Zigzagdoesporte.com.br por Gustavo Setti, do ESPN.com.br.

Getty

Russo Alexey Cheremisinov acerta Alaaeldin Abouelkassem, do Egito, durante disputa do sabre
Russo Alexey Cheremisinov acerta Alaaeldin Abouelkassem, do Egito, durante disputa do sabre

Foram nove dias de competição, e o Mundial de Esgrima terminou na última quarta-feira com 42 medalhas distribuídas. Durante os dias 15 e 23 de julho, em Kazan, na Rússia, a competição foi marcada por histórias curiosas, como a do brasileiro que teve que lutar com equipamento emprestado, a atleta sul-coreana que virou ‘freguesa’ de uma rival alemã e ainda a volta por cima da França, um dos países mais respeitados na modalidade.

A esgrima tem três categorias. A florete é a mais indicada para iniciantes, sua arma é mais leve e a superfície de contato para se conseguir um ponto, maior – a parte da frente e das costas do tronco e a região ventral.

Já na sabre, a arma é mais flexível. O contato válido é o da cintura para cima, incluindo os braços – e golpes não só com a ponta, mas também com o lado da lamina, são válidos.

A categoria espada tem arma um pouco mais pesada e mais dura do que as demais. Qualquer parte do corpo pode ser tocada. Nesta disputa, se dois competidores se tocarem ao mesmo tempo, ambos levam o ponto. Nas outras duas, quem começa a jogada ou se defende antes do contra-ataque leva o ponto na jogada.

A esgrima na Olimpíada de Londres, em 2012, teve dez categorias (cinco masculinas e cinco femininas), já o Mundial deste ano contou com 12 categorias, já que foram disputadas as provas de sabre por equipe.

Getty

Esgrima Setti
A França, de Ulrich Robeiri, ganhou sete medalhas

O domínio continuou com Itália e Rússia, que empataram na liderança do ranking. Os italianos levaram oito medalhas (três ouros, uma prata e quatro bronzes), contra seis no Mundial de 2013 e sete na Olimpíada de Londres.

Já os russos, donos da casa, também conquistaram oito medalhas (três ouros, uma prata e quatro bronzes). O país melhorou muito em relação ao desempenho na Olimpíada, quando conquistou três medalhas, mas caiu se comparado ao desempenho obtido no Mundial em 2013, quando garantiu 11 conquistas.

Porém, o grande destaque de dois anos para cá foi a França, que voltou ao lugar ao qual sempre esteve acostumada. Pela primeira vez desde 1960, nos JOgos de Roma, o país ficou sem nenhuma medalha na modalidade na Olimpíada de 2012. Já no Mundial de 2013, mostrou uma leve melhora ao obter três medalhas. Neste ano, em Kazan, a França conseguiu sete conquistas, ficando na terceira colocação geral.

Divulgação

Renzo Agresta teve que competir com equipamento emprestado
Renzo competiu com equipamento emprestado

Brasil

O brasileiro Renzo Agresta, 15º colocado no ranking mundial no sabre, terminou o Mundial em 52º depois de perder para o russo Kamil Ibragimov por 15 a 11, ainda na fase 64 avos de final.

O lutador, porém, teve problemas para a competição. Renzo competiu com uniforme e sabre emprestados, porque sua bagagem, com todo o equipamento, foi extraviada e não chegou a tempo na Rússia.

“Eu estava treinando na Itália antes do Mundial e, no dia 10 de julho, fui pra Rússia. Cheguei lá dia 11, mas a mala não chegou, e eu entrei em contato com a companhia aérea”, disse ao ESPN.com.br.

“Eu peguei coisa emprestada, não joguei com nada que era meu. Foi um problema, tive que jogar com tudo novo pra mim, e também não era da minha marca, do meu patrocínio. Além disso, tem que correr atrás de roupa, você deixa de focar na competição e foca em ter o material pra competir. Tirou um pouco da concentração”, afirmou.

O melhor brasileiro em Kazan foi Ghislain Perrier. Ele chegou até a fase de 32 avos de final, quando perdeu para James-Andrew Davis no florete individual.

Na mesma categoria por equipes, o Brasil passou na primeira rodada, mas caiu por 45 a 28 contra a Itália nas oitavas de final e depois acabou na 15ª colocação.

No feminino, os melhores resultados vieram nas disputas por equipes. Na espada, as brasileiras caíram nas oitavas de final contra a Hungria, por 45 a 28, terminando posteriormente em 14º. O desempenho foi semelhante no florete. O Brasil caiu nas oitavas de final. Desta vez para a Itália, por 45 a 21. Mais tarde, veio a 13ª posição.

Getty

Britta Heidemann (esq.) ficou com a prata na espada feminina
Britta Heidemann (esq.) ficou com a prata na espada

Freguesia 

Um dos desempenhos esperados no Mundial era a da sul-coreana Shin A Lam. Ela ganhou repercussão na Olimpíada de 2012. Há dois anos, na semifinal da espada, o cronômetro marcava um segundo para o fim, quando a alemã Britta Heidemann acertou um golpe na rival e venceu a luta.

Porém, a equipe da sul-coreana contestou a vitória da adversária dizendo que o cronômetro havia travado, e, desta forma, a luta já deveria ter sido encerrada. Mesmo assim, depois de muita análise dos juízes, Heidemann foi declarada vencedora, e Lam permaneceu por cerca de 40 minutos chorando na pista.

Um ano depois, no Mundial de 2013, Lam teve mais uma vez a alemã pela frente. Nas quartas de final, porém, Heidemann levou a melhor, de novo, diante da sul-coreana. O confronto entre as duas atletas se repetiu em Kazan. No duelo das oitavas, o final foi o mesmo, e Britta Heidemann superou Shin A Lam. A alemã acabou com a prata na competição deste ano.

Getty

A Lam Shin, da Coreia do Sul, inconsolável após derrota polêmica na semifinal da esgrima
Sul-coreana Shin chorou após perder na semifinal na Olimpíada de Londres-2012

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.