18/06/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Dezoito atletas não completam prova, e musa austríaca leva ouro no Super G

3 min read

Uma a uma, as adversárias foram se lamentando. Ou não concluíam o percurso – 18 atletas errariam uma das portas e seriam desclassificadas – ou sabiam que seus tempos poderiam ser facilmente batidos.Com a melhor execução da manhã deste sábado no Parque Rosa Khutor, a austríaca Anna Fenninger conquistou sua primeira medalha olímpica, logo de ouro. O tempo de 1m25s52 a deixou no topo do pódio do Super G do esqui alpino, seguida pela alemã Maria Hoelf-Riesch e pela compatriota Nicole Host.

– Para mim é um grande sonho se tornando realidade. Este é o melhor dia da minha vida. Foi uma prova muito dura, capciosa. Tive uma boa corrida na primeira parte, mas a chave da minha vitória foi seguramente a segunda parte. Agradecer ao meu técnico por me dar as referências certas. Talvez não ter completado o downhill tenha me dado motivação extra. Era minha última chance, e acordei muito bem – disse.

Anna Fenninger, esquiadora da Áustria, ouro no Super-G (Foto: Leonhard Foeger / Reuters)Anna Fenninger, esquiadora da Áustria, ficou com ouro no Super G (Foto: Leonhard Foeger / Reuters)

O começo foi frustrante para a torcida. Com visão apenas da parte final do trajeto, os fãs não estavam conseguindo torcer, já que apenas três das 10 primeiras a descerem na pista concluíram a prova. A cada erro seguido de abandono, um coro de frustração tomava conta das arquibancadas. Quando a segunda dezena de atletas entrou em ação, porém, o público se animou ao ver as descidas de estrelas como Lara Gut, Tina Maze e Julia Mancuso.

As beldades, no entanto, não compartilharam esta alegria. Seus respectivos tempos não seriam o bastante para irem ao pódio. A alemã e a eslovena ainda bateram na trave, mas a americana foi apenas a oitava colocada. Campeã do Downhill ao lado de Tina, Dominique Gisin sequer completou a corrida (veja no vídeo abaixo).

– Foi uma corrida difícil, com certeza, mas Super G é sempre muito difícil. Muitas meninas são muito rápidas. Você tem que dar tudo, tentar de tudo. Mas, às vezes, você está fora e, às vezes, você fica no topo. É assim no esporte e especialmente no Super G, onde não existem treinos e as velocidades são muito altas. A neve estava muito macia. Eu estava apenas tentando me manter em pé. O esporte é assim, é parte do jogo – disse Dominique.

Cotada entre as favoritas, mas menos badalada, Anna Fenninger assistiu aos erros das rivais pelo telão e foi fazendo notas mentais. Viu onde poderia se arriscar, onde era melhor ser cautelosa, e aplicou as lições com sucesso. Com 1m25s52, foi a mais rápida até então. Em área reservada ao lado da chegada, foi secando as rivais uma a uma. Conforme outras aspirantes ao título passavam com tempos mais lentos, seu sorriso foi se abrindo.

No fim, enquanto desciam atletas de ranking mais baixo, a austríaca já falava ao celular, gargalhando, extravasando sua felicidade. Depois de uma participação fraca nos três eventos que disputou em Vancouver e de bater na trave no Supercombinado em Sochi, este título já não lhe escaparia.

As Olimpíadas de Inverno vão até o dia 23 de fevereiro, e o SporTV.com fará cobertura diária em Tempo Real. O SporTV e a TV Globo transmitem algumas provas ao vivo.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.