21/07/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Abel se irrita com imprensa, pede valorização e diz: ‘O Brasileiro é muito difícil. Lá fora é uma teta’

2 min read

Do Zigzagdoesporte Por ESPN.com.br.

O Internacional jogou bem na maior parte do tempo e venceu o Sport por 2 a 1 neste domingo no Beira-Rio. A coletiva do técnico Abel Braga, porém, foi dominada por perguntas em relação aos 13 minutos finais, quando o time gaúcho foi pressionado com mais consistência pelo clube visitante. Os questionamentos sobre o que foi ruim no jogo irritaram o treinador.

LEIA MAIS
Apesar de vitória, Rafael Moura faz alerta: ‘Caímos no segundo tempo de novo’
Notícias, vídeos, tabela, resultados, classificação e artilharia do Brasileiro

“O Dida não fez nenhuma defesa do segundo tempo. Eles não criaram nada até os 32 minutos. No lance, nós não protegemos e nós oferecemos o gol a eles. Vocês falam dos 13 minutos finais, mas e os outros 77 minutos? É fácil analisar assim. Você tá falando do primeiro colocado do campeonato em número de pontos. Valoriza o que é bom, pô. Você quer analisar o jogo com 13 minutos, não pelos 77 minutos”, afirmou.

Para reforçar o seu argumento, Abel chegou a comparar o nível do Campeonato Brasileiro ao nível dos campeonatos europeus. Para ele, é mais fácil jogar no exterior do que na competição nacional porque vários clubes têm menos responsabilidades.

“A gente estava ganhando por 2 a 0, mas não é fácil não. Aqui temos o campeonato mais difícil do mundo. Já joguei fora do país, lá é uma teta. Dos 20 clubes, 18 não tem responsabilidade. Tentam chegar no que era a Copa da Uefa, agora é Liga Europa. Campeão sai de um ou dois. Aqui são onze favoritos. Ou doze, porque o Vasco foi para a segunda divisão. A estrutura faz diferença, a camisa também, mas dentro de campo é tudo igual aqui”, analisou.

O técnico também comentou que notou uma melhora substancial da equipe em relação ao sofrido empate contra o Cuiabá, na última quinta-feira pela Copa do Brasil. Segundo ele, o maior mérito na partida contra o Sport foi o fato de não ceder o contra-ataque para o adversário.

“Contra o Cuiabá, um time que jogava com dez atrás da linha da bola, nós não encaixamos a marcação, Toda hora eles chegavam no contra-ataque. Hoje não demos contra-ataque, começaram a meter bola, mas não demos o contra-ataque, foi uma melhora grande em relação a um último jogo”, concluiu.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.