20/07/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Arsenal marca duas vezes, mas para em milagre no fim, e Monaco avança na Champions; confira os detalhes do confronto.

5 min read

Do Zigzagdoesporte.com.br por ESPN.com.br.

A equipe comandada por Àrsene Wenger teve a bola sob seu domínio em boa parte do duelo e conseguiu encontrar brechas para ameaçar a soberania defensiva do time monesgasco.
A equipe comandada por Àrsene Wenger teve a bola sob seu domínio em boa parte do duelo e conseguiu encontrar brechas para ameaçar a soberania defensiva do time monesgasco.

A reviravolta esperada pelos torcedores do Arsenal na Uefa Champions League não aconteceu. O time inglês até conseguiu furar a quase intransponível defesa do Monaco e vencer a partida por 2 a 0 nesta terça-feira no estádio Louis II, mas parou em um milagre do goleiro Subasic no fim e não conseguiu a vantagem de três gols, necessária para seguir na competição continental.

A equipe comandada por Àrsene Wenger teve a bola sob seu domínio em boa parte do duelo e conseguiu encontrar brechas para ameaçar a soberania defensiva do time monesgasco. Em uma destas brechas, abriu o placar com o atacante Olivier Giroud, aos 36 minutos do primeiro tempo. Na segunda etapa, ampliou aos 34 minutos, com Aaron Ramsey.

Aos 38 minutos da etapa final, após cruzamento na área, Giroud subiu bonito para cabecear. Subasic, com uma defesa em cima da linha, evitou o terceiro gol dos Gunners e assegurou a vaga na próxima fase do torneio. Um milagre no momento certo.

Bem postado defensivamente na maior parte do confronto, o clube francês comandado por Leonardo Jardim, assim, viu ser recompensada a boa atuação na partida de ida, quando venceu no Emirates por 3 a 1, e garantiu, desta maneira, sua vaga graças aos gols fora de casa, mesmo com duelo terminando empatado em 3 a 3 no agregado.

Getty

Monaco avançou para as quartas de final mesmo com a derrota
Monaco avançou para as quartas de final 

O Monaco – que sofreu gols em casa nesta edição da Champions pela primeira vez e não leva três gols em seus domínios na mesma partida desde setembro de 2011 – volta, portanto, às quartas de final após um hiato de 11 anos. Na última vez em que chegou até este estágio, em 2003-2004, sob comando de Didier Deschamps, hoje técnico da França, o time foi vice-campeão europeu com um elenco que contava com, entre outros, Flavio Roma, Patrice Evra, Ludovic Giuly, Dado Prso e Fernando Morientes.

O Arsenal, por outro lado, acumula agora sua quinta eliminação consecutiva nas oitavas de final da competição europeia. Antes do Monaco, o clube londrino havia sido derrubado por Bayern de Munique (duas vezes), Milan e Barcelona.

O jogo

O Arsenal precisava da bola e furar a sólida defesa monegasca para sonhar com a classificação. Nos primeiros minutos de jogo, porém, foi o time francês que ficou com a bola e que teve a chance de abrir o placar. Com três minutos, Martial pôs Bellerín para dançar na esquerda e cruzou para o meio. Berbatov fez o pivô e serviu João Moutinho, que chutou para fora.

O arremate para fora foi a melhor chance que o Monaco teve para liquidar a fatura e praticamente assegurar a classificação ainda na primeira etapa. Porque depois só o Arsenal apareceu no campo de ataque. Aos 14 minutos, Giroud ganhou disputa pelo alto e cabeceou para fora.

Com média de 60% de posse de bola – número que se manteve até o fim dos primeiros 45 minutos -, faltava ao Arsenal a velocidade na troca de passes pedida por Àrsene Wenger para conseguir a infiltração na defesa adversária. Aos 36 minutos, a brecha foi encontrada. E o time inglês abriu o placar, com Giroud precisando chutar duas vezes para superar Subasic e fazer 1 a 0.

Dois minutos depois, Welbeck quase ampliou: ele chutou de fora da área, a bola desviou em Abdennour e foi para fora, raspando a trave. O atacante inglês, aliás, ainda produziu mais duas chances antes do intervalo. Aos 46, ele driblou Kurzawa e cruzou. Giroud apareceu para completar, mas não pegou em cheio na bola, facilitando a defesa de Subasic. Um minuto depois, ele apareceu na direita e chutou para a defesa do goleiro.

O Arsenal voltou do intervalo precisando de mais dois gols. Não diminuiu o ritmo e nem permitiu que o cenário se alterasse: continuou com a bola e fazendo pressão. Aos oito minutos, Alexis Sánchez sofreu falta na entrada da área. Ozil bateu, e Subasic desviou para escanteio. O meia alemão ainda pareceu bem aos 18 minutos, quando, da entrada da área, chutou para fora.

Wenger, então, fez duas mudanças na equipe. Tirou Coquelin para colocar Ramsey e colocou Walcott no lugar de Welbeck. A equipe passou a permitir um maior número de contra-ataques, mas conseguiu anulá-los. E viu a possível classificação ficar mais perto aos 34 minutos.

Monreal, na esquerda, passou para Walcott. O atacante chutou e a bola pegou na trave. No rebote, Kurzawa afastou mal e deu a bola de presente para Ramsey. O galês dominou e arrematou cruzado para fazer 2 a 0.

A pressão para fazer o terceiro seria natural. E, por alguns centímetros, o time inglês viu a classificação ir definitivamente para o espaço. Giroud subiu mais alto que a defesa e cabeceou. Subasic pulou e fez defesa sensacional para salvar os franceses e garantir a vaga nas quartas de final.

FICHA TÉCNICA
MONACO 0 X 2 ARSENAL

Estádio: Louis II, em Monaco
Árbitro: Svein Oddvar Moen (Noruega), auxiliado pelos compatriotas Kim Thomas Haglund e Frank Andas
Cartões amarelos: Kondogbia (Monaco); Sánchez (Arsenal)
Gols: Giroud e Ramsey (Arsenal)

Monaco: Subasic; Fabinho, Wallace, Abdennour e Kurzawa; Toulalan, Kondogbia e João Moutinho; Dirar (Echiéjilé), Martial (Ferreira-Carrasco) e Berbatov (Bernardo Silva) Técnico: Leonardo Jardim

Arsenal: Ospina; Bellerín, Mertesacker, Koscielny e Monreal (Gibbs); Coquelin (Ramsey), Cazorla e Özil; Welbeck (Walcott), Sánchez e Giroud Técnico: Arsene Wenger.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.