18/06/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Os escandalosos trambiques no Ministério do Esporte

2 min read

A expressão de realização e do dever cumprido.

Do ZigZag do Esporte/Ministério do Esporte.

Oito anos depois –  quase uma década! –  de um esquema de corrupção desviar R$ 5 milhões (corrigidos) do programa Segundo Tempo, o Tribunal de Contas da União condenou sete funcionários do Ministério do Esporte a pagarem irrisórias multas de R$ 71 mil. Já o grosso da bolada roubada do cofre público continua sendo investigado para saber quem ficou com quanto. Já os ministros à época do escândalo, Agnelo Queiroz e, depois, Orlando Silva, continuam trabalhando muito pelo desenvolvimento do Brasil. Agnelo é governador do Distrito Federal e Orlando é vereador em São Paulo.

Os detalhes desse trambique milionário estão na ótima reportagem de Aiuri Rebello e Ricardo Perrone, do UOL Esporte, que sugiro a leitura.

Memória

Quando estava no Correio Braziliense, em 2006, publiquei sobre esses escândalos que já citavam, também, o hoje secretário de Saúde do Distrito Federal, Rafael Aguiar Barbosa. Por envolver empresas brasilienses, a polícia especializada do Distrito Federal fez uma varredura no que deveria ser o projeto Segundo Tempo. O resultado está em dois processos afins: no Tribunal de Contas da União, que ainda analisa a confusão, e outro sob “segredo de Justiça”, onde estão ”cobras & lagartos”…

As informações que levantei à época indicavam que João Dias, dono de academias contempladas com a grana do Ministério do Esporte,  era amigo de Agnelo. João, inclusive, foi cabo eleitoral do hoje governador do DF.

Inicialmente, João recebeu R$ 2 milhões (hoje R$ 3,7 milhões, corrigidos) para projetos do Segundo Tempo que atenderiam cinco mil crianças. Mas o dinheiro desapareceu.

Inadimplente, João não podia assinar novos contratos, mas abriu outra empresa de esportes e pegou mais R$ 1,3 milhão (corrigido) também para nada!  Foi aí que a turma do Ministério pisou na bola, pois quem estava inadimplente era o sujeito “João Dias” e não a empresa. Tenho informações de que liberaram a nova grana sobre pressão de autoridades superiores, pois João era amigo da casa. A suspeita da Polícia Civil é que o dinheiro abastecia caixa de campanhas políticas, e é isso que ainda está sendo investigado.

Esse não é caso isolado de corrupção no Segundo Tempo. Há dezenas sob investigações, mas como se passaram apenas oito anos… não é preciso apressar os resultados, claro.

 

Fonte: Blog de José Cruz

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.