21/07/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Peter Siemsen: ‘Caso Héverton tem dois prejudicados: Lusa e Fluminense’. Entenda o fato.

3 min read

Camila Mattoso, do ESPN.com.br.

REPRODUÇÃO TV

Peter Siemsen diz
Peter Siemsen diz que o Fluminense não tem nada a ver com caso Héverton

Enquanto o Ministério Público de São Paulo não consegue provar o que sustenta desde o começo do ano, de que alguém recebeu algum dinheiro para escalar o Héverton, no último jogo da Portuguesa, as especulações continuam sobre o assunto. O presidente do Fluminense, Peter Siemsen, se incomodou com a matéria do ‘Estado De S. Paulo’, veiculada na última segunda-feira, dizendo que as suspeitas do órgão estadual recaem sobre o tricolor carioca e também sobre o Flamengo.

O dirigente, que diz que não tem nenhum problema em falar sobre o tema, espera que a situação seja apurada até o fim, que os culpados (se existirem) sejam punidos e garante que seu clube nunca teve nenhuma ligação com o imbróglio. Sobre a Unimed, Peter afirma que coloca a mão no fogo pelo presidente Celso Barros.

“Eu não sei exatamente a que investigação que o Estadão se refere. Logo em seguida, outras matérias saíram mostrando que o promotor investigou e entendeu que foi um erro administrativo. É difícil falar de uma matéria que não se tem a origem detalhada. Não sabe quem falou. Se houve alguma conduta criminosa por parte da Portuguesa ou por terceiros, não há a menor dúvida de que tem de haver punição, para o bem do futebol brasileiro. Se a investigação chegar a alguma conclusão, certamente não terá nada a ver com o Fluminense”, afirmou o cartola, em contato com a reportagem.

“O Fluminense sofreu muito no começo da temporada, com um ataque a nossa imagem, com jornalistas fazendo conjecturas absurdas, que acabou com um prejuízo bastante grande para a nossa imagem. Mas foi uma grande injustiça. O Fluminense não teve nada a ver com a questão. Só a gente sabe como foi passar por isso. A gente estava preparado para encarar as mudanças e de repente aconteceu o inesperado, quando dois times colocaram jogadores irregulares em campo. A Unimed é parte do clube e eu defendo tanto quanto. Coloco minha mão no fogo pelo Celso Barros [presidente da Unimed]”, completou.

Segundo Peter, há dois prejudicados no caso Héverton, a Lusa e o próprio Fluminense.

“Tiveram dois grandes prejudicados com o erro da escalação do Heverton. A Portuguesa, na parte esportiva, porque também não conseguiu se recuperar neste ano. E o Fluminense, que teve esse prejuízo na imagem durante um período, mas nos fortaleceu internamente. A gente não avançou na Copa do Brasil, mas estamos lutando por uma vaga na Libertadores, o que nos deixa muito feliz. A maneira como fizeram a pressão no Fluminense, a forma como criaram teses e acusações absurdas, foi muito complicado”, desabafou.

“Se a Portuguesa foi prejudicada, foi por ela mesma, por ter escalado um jogador irregular e por não ter se recuperado depois.Volto a dizer que sofremos muito com essa injustiça. Se houver um avanço na investigação, será sempre favorável a situação do Fluminense. Só a gente sabe o que a gente passou. Duplamente, aliás. Primeiro pelo desempenho dentro de campo, depois por essa injustiça. Não teve nada a ver com a gente isso”, finalizou.

 

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.