14/07/2024

zigzagdoesporte.com.br

A sua revista eletrônica do esporte

Empresa envolvida em obras da Copa-2022 deu dinheiro à CBF, diz jornal. Entenda mais uma tramoia da CBF.

3 min read

Do  Zigzagdoesporte.com.br por UOL, em São Paulo.

 

Estádio Al Bayt, palco da Copa do Mundo de 2022, no Qatar4 fotos 3 / 4
Visão externa do estádio Al Bayt, palco que receberá uma das semifinais da Copa de 2022, no Qatar AFP PHOTO / Qatar 2022 committee
VEJA TAMBÉM

Terceiro Tempo
Comitê de Ética da Fifa declara Copas de 2018 e 2022 livres de corrupçãoEstadio copa 2022
Getty Images
Uefa topa mudar Liga dos Campeões em 2022 para Copa do Mundo ser no inverno
As suspeitas de corrupção na escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo de 2022 podem atingir o Brasil. De acordo como jornal O Estado de S. Paulo, uma das empresas responsáveis pelas obras de infraestrutura do Mundial deram dinheiro à CBF para financiar o amistoso da seleção brasileira contra a Argentina em Doha, em 2010.

Estádio Al Bayt, palco da Copa do Mundo de 2022, no Qatar4 fotos 3 / 4
Visão externa do estádio Al Bayt, palco que receberá uma das semifinais da Copa de 2022, no Qatar AFP PHOTO / Qatar 2022 committee
VEJA TAMBÉM

Terceiro Tempo
Comitê de Ética da Fifa declara Copas de 2018 e 2022 livres de corrupção
Getty Images
Uefa topa mudar Liga dos Campeões em 2022 para Copa do Mundo ser no inverno
As suspeitas de corrupção na escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo de 2022 podem atingir o Brasil. De acordo como jornal O Estado de S. Paulo, uma das empresas responsáveis pelas obras de infraestrutura do Mundial deram dinheiro à CBF para financiar o amistoso da seleção brasileira contra a Argentina em Doha, em 2010.

Segundo a publicação, a empresa Al Saad & Sons Group Holdings (GSSG) pagou pela realização da partida, em operação que também contou com a suíça Swiss Mideast Finance Group, organização com sede na Suíça.

A GSSG é presidida por Ghanim Bin Saad, gerente de uma estatal do setor imobiliário responsável por algumas das principais obras da Copa-2022. Entre elas está a cidade de Lusail, projetada para ter 450 mil habitantes e que receberá a final em um estádio para 80 mil lugares. O valor gasto com a construção está estipulado em US$ 45 bilhões, financiados pelo governo do Qatar.

A reportagem lembra que a Fifa chegou a sugerir a abertura de um processo para investigar a transferência, mas voltou atrás alegando não haver conexão com a suposta compra de votos para eleger o Qatar como sede do Mundial. Brasil, então representado por Ricardo Teixeira, e Argentina votaram a favor do país árabe três semanas após o amistoso.

Contatadas pelo jornal, as empresas negaram envolvimento com a partida ocorrida em Doha ou com a CBF. Mas um jornal local de novembro de 2010 traz declarações do vice-presidente da GSSG, Mohammed Hassan Al Hamadi, celebrando o acordo para a realização do amistoso.

A notícia do envolvimento da CBF com a principal empresa das obras da Copa do Qatar vem em uma semana marcada por polêmicas. A Fifa divulgou um extenso relatório onde afirma não haver indícios de corrupção na escolha das sedes dos Mundiais de 2018 e 2022 e encerra o caso.

Mas o responsável pelas investigações, Michael García, disse ter tido sua análise distorcida pela entidade e recorreu contra a decisão.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.